22.7 C
Porto
Segunda-feira, Abril 15, 2024

Presidente da Câmara de Gaia considera a perda de mandato uma decisão atroz e remete para o recurso

O presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, foi hoje condenado a perda de mandato e ao pagamento de uma multa de 8.400 euros por usar, de forma pessoal, um veículo elétrico do município. O autarca afirma que é falso e que vai provar em sede de recurso.

As mais lidas

Eduardo Vitor Rodrigues já reagiu à pena que hoje lhe foi aplicada. Diz o autarca que é  uma total injustiça contra a qual reagirei, recorrendo para a Relação e repondo a verdade e a justiça”, refere”É uma injustiça atroz, é inacreditável”! Ter angariado um carro para fins pessoais!. É falso!” – Disse o edil gaiense.

Sentença

Na liderança daquela autarquia do distrito do Porto desde 2013, depois de ter sido eleito pelo PS, Eduardo Vítor Rodrigues foi condenado pelo Tribunal de Vila Nova de Gaia por um crime de peculato de uso.

A juíza condenou ainda a mulher do autarca pela prática do mesmo crime, assim como ao pagamento de uma multa de 8.400 euros (120 dias de multa à taxa diária de 70 euros).

Eduardo Vítor Rodrigues e a mulher, que hoje não estiveram na leitura da sentença depois de terem pedido dispensa, nunca prestaram declarações em tribunal.

O despacho de acusação do Ministério Público (MP), sustenta que os arguidos “decidiram usar, como se fosse seu”, um veículo elétrico adquirido em regime de locação financeira por empresa municipal, na sequência de contrato de ajuste direto celebrado em 13 de outubro de 2017, “mediante o pagamento de uma renda mensal” de 614 euros.

“Em consequência desta atuação”, refere a acusação, os arguidos “beneficiaram indevidamente” de 4.916 euros, valor das oito rendas da locação do veículo – entre novembro de 2017 e junho de 2018.

Durante a leitura da sentença, a juíza referiu que o presidente de câmara cedeu o automóvel à sua esposa que o usou, entre maio e junho de 2018, para deslocações em trabalho e lazer, conforme comprovam registos fotográficos anexos ao processo resultantes de vigilâncias efetuadas pelas autoridades judiciárias.

Não podia deixar de saber que a mulher usava o carro”, disse a magistrada.

Além das provas fotográficas, a juíza revelou que há testemunhas que viram a esposa de Eduardo Vítor Rodrigues a conduzir a viatura.

O autarca e a mulher requereram a abertura de instrução, mas o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto pronunciou (decidiu levar a julgamento), em dezembro de 2021, o casal nos exatos termos da acusação do MP, deduzida em janeiro desse ano.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da câmara indicou que será emitido em breve um comunicado sobre o tema.

Eduardo Vítor Rodrigues é ainda arguido num processo que investiga “questões de contratação pública e de pessoal”, revelou o mesmo em maio, depois de o ex-vice-presidente da câmara, Patrocínio Azevedo, ter sido detido e ficado em prisão preventiva – medida de coação que ainda mantém – no âmbito da Operação Babel onde estão em causa crimes de recebimento ou oferta indevidos de vantagem, de corrupção ativa e passiva, de prevaricação e de abuso de poder, praticados por e sobre funcionário ou titular de cargo político.

Na altura, o nome do socialista foi associado à Operação Babel, contudo, Eduardo Vítor Rodrigues veio contrariar essa informação, dizendo ter sido constituído arguido no processo 399/23 que investiga “questões de contratação pública e de pessoal”.

Foi uma coincidência que permitiu especulações aos abutres e criatividade mórbida aos cretinos digitais”, vincou, naquela ocasião, o autarca.






- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img