8.5 C
Porto
Quinta-feira, Maio 23, 2024

Vera Jourová lamenta não ter encontrado modelo económico para os media

A vice-presidente da Comissão Europeia para os Valores e Transparência lamenta, em entrevista à Lusa, não ter encontrado um modelo económico para os media que evite que sejam "alvos fáceis" das pressões políticas e proprietários.

As mais lidas

Věra Jourová termina hoje uma visita de dois dias a Portugal, no âmbito da sua “digressão pela democracia“, onde tem encontros marcados com entidades nacionais e responsáveis institucionais portugueses.

Devo dizer que estou desapontada por não termos conseguido encontrar formas de melhorar a situação económica dos media e estou ciente disso” e de que sem um modelo sustentável os órgãos de comunicação social “podem ser sempre alvos fáceis de pressões políticas, mas também de pressões dos proprietários“, pelo que é preciso mais trabalho neste âmbito, sublinha.

Aliás, Jourová salienta que o que gostaria ter feito e não conseguiu, encontrar um modelo económico para os media.

Instada a comentar o facto de o jornalismo tradicional estar ameaçado devido ao seu modelo económico, a vice-presidente da Comissão Europeia defende que é preciso “encontrar a forma de corrigir o mercado distorcido”.

Há quem diga que devem ser os contribuintes a pagar, mas essa “é a forma mais fácil” e “eu nunca quis encontrar soluções fáceis“, prossegue.

Primeiro, é preciso olhar o mercado para onde o dinheiro desapareceu: “todo o dinheiro desapareceu nos grandes sistemas digitais, os anunciantes escaparam para lá“, aponta.

Por isso, “acho que é bom reabrir o debate sério sobre o imposto digital [‘digital tax’]“, defende.

Porque é que os contribuintes deveriam pagar por ele? Para manter os media vivos?“, questiona, defendendo a necessidade de ser criado um sistema “justo”.

Sublinhando que tem “boas relações” com as gigantes digitais, Jourová usa a comparação com uma autoestrada.

Eles criaram para si a autoestrada, para grandes camiões que não pagam nada pelos danos. Não podemos continuar assim“, reforça.

Em primeiro lugar, defende, é preciso “o modelo de alguma distribuição justa dos anunciantes”, em segundo, pode ser o financiamento privado, que já existe em alguns projetos na União Europeia (UE) e Estados Unidos, mas está no início, relata.

O último recurso, “é o orçamento público“.

Věra Jourová recorda que no European Media Freedom Act (Lei Europeia da Liberdade dos Media) tem um “forte capítulo” sobre o serviço público de media, o qual deve “ter financiamento público suficiente para sobreviver” durante este momento de crise económica.

Questionada sobre a ajuda estatal aos media em tempos de crise, a vice-presidente da Comissão Europeia para os Valores e Transparência classifica como “decididamente” uma “boa medida” para os manter vivos.

Aliás, no período da covid, a UE “desbloqueou as regras de ajudas estatais também para apoiar os media e recomendou que os Estados-membros” usassem esse apoio financeiro, o que alguns fizeram.

Devo acrescentar que quando o orçamento público acompanha os meios de comunicação social, deve ser absolutamente transparente e não deve pretender comprar a sua gratidão“, adverte.

Para os media “é bom receber dinheiro público“, nomeadamente em tempos de crise financeira, “mas ao mesmo tempo há uma pressão” enorme para continuarem “independentes e fortes e manterem a integridade elevada“, reconhece.

Jourová admite a sua “preocupação absoluta” com os media sob controlo político, já que numa situação de ‘Orbanização’ [uma referência ao primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán em que “não existe poder na sociedade“, esse é ocaminho para o inferno”.

A legislação europeia tem um artigo “muito proeminente” que diz que a pressão política tem de ser proibida ou deve parar e que “os principais valores que precisamos proteger é a independência dos media” quer de serviço público, quer comerciais, “eles têm que ser o poder forte na sociedade”, insiste, sublinhando que o Media Freedom Act [Lei da Liberdade dos Media]cria um novo tipo de rede de segurança“.

Queremos proteger os media, precisamos de protegê-los melhor“, conclui.

OC/ Alexandra Luís e Maria de Deus Rodrigues (texto)/Lusa

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img