8.5 C
Porto
Quinta-feira, Maio 23, 2024

O 25 de abril aos olhos de uma criança

As mais lidas

Joaquim Marques
Joaquim Marques
Técnico de Turismo

Escrevo este texto na primeira pessoa, reportando aos tempos do 25 de abril. Ao próprio dia e seguintes, mas sob uma perspetiva de uma criança que, tendo presenciado esta pacífica revolução, não pôde compreender na íntegra o que se passava.

Os tempos ante revolução na escola eram bem diferentes: a disciplina era a regra, embora se baseasse demasiadas vezes na violência (eram vários os motivos – nem sempre válidos, para levarmos umas reguadas, com a palmatória – mais doloroso ainda…, ou com uma vara que se vergava (fustigando os nossos corpos…).

A minha primeira classe foi feita antes da revolução e, na segunda – com o ano letivo a acabar, eclodiu a revolução. Diga-se de passagem, que, no plano curricular, com o fim da ditadura, não vi grandes diferenças – suponho que terá tudo ficado (quase) na mesma, mas ao nível da violência gratuita (física e psicológica), a mudança foi imediata – para melhor, claro está!!

Eram dias de tensão – quiçá apreensão, que pairava no ar todos os dias e a qualquer hora. Uma coisa estranha para uma criança de 7/8 anos que não conseguia perceber o que se passava, sendo que as explicações também não eram muitas (tempos conturbados para os adultos, e ainda mais para as crianças, naturalmente…).

Cecília , Liberdade 25 de Abril

Mas passemos um pouco ao “baú das memórias”, descrevendo alguns episódios que por lá ficaram retidos (as máquinas fotográficas ao tempo eram um luxo…):

Soube-se da Revolução pela Rádio e, mais tarde, pelos Jornais e TV lá conseguimos ver umas imagens dos militares a confraternizarem com o Povo;

Na escola, naquele dia – apressadamente…, foram, sem aviso e explicação, retirados os quadros com as fotografias representativas do regime ditatorial e o crucifixo… Passados uns dias, foi reposto o crucifixo na parede e no local original;

– Logo de seguida à revolução, o Povo pôde, finalmente, festejar o 1º de Maio em liberdade!! A enchente e alegria nas ruas foram incomensuráveis;

Mais tarde (em 1976), e ainda em pleno “espírito revolucionário” os militares transportaram centenas de crianças (nas suas viaturas “de serviço” – camiões militares) para um concerto de música infantil no “Palácio de Cristal” (Porto) para as comemorações do Dia Mundial da Criança,  onde, entre outros, estava o magnífico José Barata Moura… Uma enchente!! Humana e de alegria!! Inesquecìvel!! Ainda hoje me recordo quando os militares, de surpresa, chegaram com as suas viaturas para levarem as crianças a esse magnífico espetáculo!!  (A própria “volta” foi, em si, razão para muita alegria) … A criançada sabia todas as músicas de cor, sendo que a mais sonante, a “Fungagá da Bicharada” foi cantada, em plenos pulmões em uníssono.

Este é um testemunho diferente, mas autêntico, de quem vivenciou esta extraordinária Revolução!

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img