20 C
Porto
Quinta-feira, Maio 23, 2024

Médicos concentrados no Porto exigem regresso às negociações para salvar SNS

 Algumas dezenas de médicos juntaram-se hoje, no Porto, no primeiro de dois dias de greve convocada pela Federação Nacional dos Médicos (Fnam), para exigir ao Governo que desbloqueie as negociações e salve o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

As mais lidas

“O público é de todos, o privado é só de alguns” e “A saúde é um direito, sem ela nada feito” são algumas das frases entoadas junto à entrada do Hospital de São João, no Porto, por médicos que se dizem “fartos de esperar por um acordo que os respeite e respeite os utentes”.

 A presidente da Fnam, Joana Bordalo e Sá, recordou que estava marcada na semana passada uma reunião com as estruturas sindicais e o Ministério da Saúde que foi, disse, “cancelada sem explicação quando se vive um caos nas urgências e no SNS”.

Temos um Governo. Apesar da crise política que vivemos, temos um interlocutor, temos Ministério da Saúde, o doutor Manuel Pizarro está em plenas funções, e as soluções estão em cima da mesa. Tem de haver vontade política real”, disse Joana Bordalo e Sá.

Hoje cumpre-se o primeiro dia de uma greve de dois dias convocada pela Fnam.

A greve é acompanhada por manifestações e a federação convidou a população a juntar-se aos protestos em Lisboa, no Porto e em Coimbra, em defesa do SNS.

Na faixa que dezenas de médicos seguram hoje junto ao Hospital de São João lê-se “Na defesa da carreira médica. É preciso salvar o SNS. É preciso cuidar de quem cuida”.

Já os cânticos alternam entre mensagens para os utentes e mensagens para o Governo: “Trinta e cinco horas para todos sem demoras!” ou “O povo merece o SNS”.

Os médicos do SNS são os médicos de toda a população e, tendo em conta a situação a que chegamos agora, com esta sangria de médicos todos os dias a sair do SNS, o que vai acontecer é que ficamos sem médicos para dar resposta. É necessário chegar a um acordo, um acordo que sirva os médicos e o SNS. É preciso desbloquear esta negociação”, disse à a líder da Fnam.

Joana Bordalo e Sá considerou que “19 meses a negociar é já demasiado tempo” e insistiu que “o Governo está em plenitude das suas funções, o Ministério da Saúde é o mesmo, o ministro da Saúde é o mesmo”.

É preciso uma solução. Há urgências encerradas do Norte a Sul do país com o caos instalado e a população está a ser deixada para trás. Este plano de reorganização das urgências da Direção-Executiva do SNS é apenas um mapa de encerramentos”, concluiu.

Quanto a números sobre o impacto da greve, Joana Bordalo e Sá remeteu para o final da manhã a atualização de dados, mas garantiu que os serviços mínimos “estão a ser escrupulosamente cumpridos”.


- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img