15.8 C
Porto
18.1 C
Lisboa
19.9 C
Faro
Segunda-feira, Junho 17, 2024

“Lapas” nas organizações

As mais lidas

Victor Carvalho
Victor Carvalho
Técnico de Formação Profissional

Em muitas Organizações, há entropias, desordem interna, entraves de variados tipos, não só não se desenvolvem, como vivem anestesiadas e podem conduzir ao seu retrocesso, ou no limite, à fusão e/ou extinção.

Nas empresas/instituições, públicas, privadas, o “problema” pode existir e persistir… Todos sabemos as consequências nefastas para as respetivas Organizações. Compete a todos, do funcionário Menos qualificado à Direção/Administração, providenciar para o bem da respetiva entidade. Com o grau de profissionalismo que cada uma tiver, até à voluntária recém constituída, o dever de cada um intervir é um imperativo. O Psicólogo Organizacional trabalha o todo, envolve todos para o bem da respetiva Organização.

O Movimento Associativo tem mais de 70 mil Associações pelo País, sejam elas desportivas, recreativas, culturais, IPSS´s e religiosas. Constata-se que,em muitas,  há dirigentes que se arrastam há muitos anos, (nalguns casos décadas, autênticos “ Dinossauros”), agarrados aos cargos, verdadeiras “Lapas” que desmotivam os putativos candidatos. É evidente que não é alheio ao fenómeno a ausência de candidatos a dirigentes, desmotivação da massa associativa… fraca participação nas respetivas Assembleias Gerais.


Organização que se preze, tem de acautelar o futuro, rejuvenescer quadros, trazer gente nova para as Associações/Movimentos. Também há situações em que até pode haver candidatos, que se deparam com imensas dificuldades em apresentar listas alternativas, podem surgir pressões, para não trespassarem divergências, para se manter a lista única, de continuidade, unitária…

No plano autárquico, conhecemos autarcas, de várias cores políticas, que vão ao limite legal de 12 anos no poder. É legítimo que um autarca, faça mais de um mandato, a meu ver 8 anos basta. A sociedade civil deveria agarrar esta questão e pressionar os legisladores (leia-se Assembleia da República), só que os partidos têm sabido, ao longo dos anos defender os seus interesses… e a lei permanece nos 12 anos. Deveria ser feita uma petição para o efeito, um ato de Cidadania.

As organizações precisam de dinamismo. Os ciclos estão cada vez mais curtos, sejam eles políticos, tecnológicos… está a uma velocidade estonteante.
Felizmente, também há muitas e boas Organizações. Dinâmicas em total contraponto, ao acima mencionado, que são vivas e atuantes. Estas pautam-se por lideranças assertivas, desenvolvem uma escuta ativa, preocupam-se com os Clientes, Trabalhadores, Chefias, Fornecedores, Stakeholders, todas as partes interessadas. Por regra, os gestores rodam entre lojas dos respetivos grupos, os mandatos nem chegam aos 4 anos.


O Rotary Internacional tem um modelo muito interessante. Os seus membros recebem formação, têm reuniões regulares, ajudam a sociedade onde estão os Clubes inseridos, têm encontros distritais e até mundiais.

O mandato de um Presidente de Clube Rotary é de um ano, sabe quando entra e quando sai. É evidente que poderá, se a situação o justificar, fazer o ano seguinte, mas o princípio é de um ano. O Presidente cria equipa e escolhe um Lema para o seu mandato.

Compete a cada Organização, desenvolver o seu “Modelo Organizacional”.
Cada Cidadão/ã, tem o direito e dever de contribuir nas respetivas Organizações onde esteja inserido, em combater as ”Lapas” e contribuir para um melhor ambiente Organizacional.




- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img