8.5 C
Porto
Segunda-feira, Maio 27, 2024

Iniciativa Liberal acusa Medina de mentir e fala num “enorme aumento dos impostos indiretos”

A Iniciativa Liberal considerou hoje que a carga fiscal vai subir em 2024 com um "enorme aumento dos impostos indiretos", acusando o ministro das Finanças, Fernando Medina, de mentir sobre esta matéria.

As mais lidas

Esta posição foi transmitida pelo deputado da IL João Cotrim Figueiredo, em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República, sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2024 hoje apresentado pelo Governo – em relação à qual este partido já anunciou o voto contra.

O senhor ministro das Finanças mentiu. Mentiu ao dizer que a carga fiscal no ano de 2024 não irá crescer. Ela vai crescer“, declarou Cotrim Figueiredo.

O ex-presidente da IL referiu que o quadro de receitas fiscais da página 128 do Relatório do Orçamento do Estado “mostra que, embora os impostos diretos cresçam pouco, os impostos indiretos vão crescer quase 9%”, considerando que se trata de “um enorme aumento dos impostos indiretos“.

O total das receitas fiscais, só de impostos, não estamos a falar de contribuições, vai crescer 4,8%, o que é mais do que vai crescer o Produto Interno Bruto (PIB) nominal. Ou seja, a carga fiscal vai subir novamente em 2024, e não é por efeito do mercado de trabalho mais robusto ou por aumentos salariais, que tem sido a desculpa recorrente do PS. E é este tipo de engano, este tipo de habilidade que nós queremos denunciar aqui”, acrescentou.

Cotrim Figueiredo justificou o voto contra da IL em relação ao Orçamento do Estado para 2024, na generalidade – anunciado hoje pelo presidente do partido, Rui Rocha, logo a seguir à divulgação da proposta – com a política fiscal do Governo e a falta de reformas dos serviços públicos.

Será contra exatamente porque um Orçamento que não põe o país a crescer desagravando e simplificando impostos e não trata dos problemas estruturais dos serviços públicos não é um Orçamento que sirva Portugal”, afirmou.

Segundo o deputado e ex-presidente da IL, em setores como a saúde, educação, habitação e segurança socialcontinua a atirar-se dinheiro para cima dos problemas“, mas “não houve a tal coragem de alterar estruturalmente esses serviços públicos”.

A proposta de Orçamento do Estado para 2024, hoje entregue na Assembleia da República, vai ser discutida e votada na generalidade nos dias 30 e 31 de outubro. A votação final global está marcada para 29 de novembro.

O Orçamento do Estado tem aprovação garantida pela maioria parlamentar do PS.

No cenário macroeconómico em que assenta a proposta de Orçamento, o Governo prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 2,2% em 2023 e 1,5% em 2024 e que a taxa de inflação diminua para 5,3% neste ano e 3,3% em 2024.

O Governo chefiado por António Costa pretende alcançar excedentes orçamentais de 0,8% do PIB em 2023 e de 0,2% em 2024. Quanto ao rácio da dívida pública, estima a sua redução para 103% do PIB neste ano e para 98,9% em 2024.

A Iniciativa Liberal irá votar contra a proposta de Orçamento de Estado apresentada pelo Governo. Mais uma vez é um documento sem ambição e sem visão estratégica que não abre qualquer horizonte de esperança aos portugueses, nem contribui para resolver os seus problemas essenciais“, escreveu Rui Rocha.


- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img