11.6 C
Porto
Segunda-feira, Maio 27, 2024

FC Porto – André Villas-Boas descarta debater dissonâncias do passado com Pinto da Costa

André Villas-Boas, ex-treinador da equipa de futebol e atual candidato à presidência do FC Porto, rejeitou hoje debater “retóricas do passado que há muito foram ultrapassadas” com Pinto da Costa, líder dos ‘dragões’, antes das eleições

As mais lidas

Queria marcar esta candidatura e campanha pela positiva. Entrar num bate-boca dessa natureza não valoriza o FC Porto. Sinto a força e a vontade de mudança dos associados. Dizer que sou suportado por inimigos ou pela comunicação social do sul ou de Lisboa é totalmente falso e é uma falta de respeito para com os sócios e o fervor que eu sinto dos mesmos. A minha candidatura marca-se pelo debate de ideias sobre o futuro do clube, a sua sustentabilidade financeira e a capacidade de continuar vencedor no futuro”, definiu.

André Villas-Boas falava durante a conferência de imprensa de apresentação de António Tavares e Angelino Ferreira como candidatos da lista “Só há um Porto” à presidência da Mesa da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal e Disciplinar do clube, respetivamente.

Os associados do FC Porto sentem Jorge Nuno Pinto da Costa como o presidente dos presidentes. Foi uma pessoa que marcou muito do portismo das pessoas. Será sempre tratado dessa forma, com o máximo de respeito e elevação. Desconheço atualmente se será meu opositor ou não, mas é o presidente mais titulado do mundo e será respeitado como o presidente dos presidentes do FC Porto por parte da minha candidatura”, frisou.

Pouco mais de uma semana depois de ter apresentado a sua candidatura à presidência dos ‘dragões’, André Villas-Boas reiterou o desejo de reerguer um “modelo operacional e de gestão que sempre funcionou e agora é disfuncional”, mesmo tendo apoiado Pinto da Costa em atos eleitorais passados, incluindo no último, em 2020.

“Naturalmente, poderá haver divisões no caminho que as pessoas escolherem de forma democrática como o melhor futuro para o clube. Esperamos convencer as pessoas que votarem em outros candidatos com vitórias e assumimos esse compromisso. O ADN do clube é ganhar. Ninguém está cá para pôr o FC Porto perdedor daqui em diante”, notou.

Questionado sobre a expectativa em relação ao futuro de Sérgio Conceição, treinador da equipa principal de futebol, que termina contrato em junho, André Villas-Boas rejeita “ser disruptor” nesta fase da época e quer expor com serenidade os seus planos aos sócios.

Cabe à atual gestão desportiva decidir o futuro do técnico e propor ou não a renovação contratual. As minhas questões foram sempre de perceber qual é a lógica de não terem renovado com um treinador tricampeão [nacional] há mais tempo. Quando lá chegar, irei sentar-me com ele para entender qual é a sua visão de futuro e se vai ter continuidade”, observou, confiando que o processo eleitoral não afetará a equipa de Sérgio Conceição.

O ex-treinador, de 46 anos, juntou-se ao empresário Nuno Lobo, candidato derrotado em 2020 por Pinto da Costa, nas próximas eleições dos órgãos sociais do FC Porto rumo ao quadriénio 2024-2028, cuja data ainda será agendada, devendo ser realizadas em abril.

André Villas-Boas notabilizou-se na época 2010/11, quando conquistou quatro provas à frente da equipa principal de futebol, entre as quais a I Liga portuguesa e a Liga Europa, que representa o último dos sete troféus internacionais da história dos ‘azuis e brancos’.

Pinto da Costa, de 86 anos, ainda não revelou se concorrerá a um 16.º mandato seguido, numa fase em que é o dirigente com mais títulos e longevidade do futebol mundial, tendo sido eleito pela primeira vez como 33.º presidente da história do clube em abril de 1982.

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img