18.5 C
Porto
Quinta-feira, Maio 23, 2024

Breve História do Rock – 1ª Parte – Por António Ferro

Depois dos blues e do jazz é chegada a hora do rock. Vamos lá então começar um passeio pela história desta forma musical que acompanhou diversas viragerns de gerações.

As mais lidas

ORIGENS

Nos anos quarenta imperavam as grandes orquestras de swing, que fenómenos deram lugar para o aparecimento de grupos de quatro ou cinco elementos com guitarras e baterias (?)… Esta música rompia com o passado, era feita por jovens para jovens.

Com a rutura social criada pela Segunda Guerra Mundial, a migração da comunidade negra americana, dentro do seu próprio território e com a aparição dos novos meios de comunicação de massas. Apenas uma década separam a “explosão” do rock and roll (1957), do primeiro programa televisivo visto nos cinco continentes (1967). Os gira-discos de acesso popular, o aparecimento do LP (Long Play) e sobretudo com a invenção da guitarra elétrica – instrumento que melhor representa este estilo musical, a Era do Rock, teve um significado avassalador na mudança do mundo.

Com o término da guerra, os negros voltaram a ser tratados cidadãos de segunda, fazendo esquecer que ombrearam com os brancos na Europa contra Hitler e no Pacífico contra os japoneses. Se em 1930, viviam na Califórnia 80 mil negros, por sua vez, em 1950, a população negra chegou a meio milhão. A música negra – o jazz e os blues expandiram-se e encontraram-se com as músicas dos brancos – folk e country. Por outro lado, os jovens do pós-guerra – filhos de muitos combatentes, buscavam uma nova linguagem, romper barreiras com os seus pais. A resposta estava nessa nova música, onde um grupo de poucas pessoas conseguia vender milhões de discos.


A mulher


Sister Rosetta Tharpe, nasceu em 1915, numa pequena cidade do Arkansas. Apenas com nove anos assumiu o piano do coral da igreja, mas pouco tempo se passou até surgir com a guitarra e a sua voz potente e ousada. Em 1938, gravou o tema “Rock Me”, uma canção gospel com a orquestra de Lucky Milinder. Alcançou popularidade e conseguiu um feito inédito, ao colocar música religiosa no top 10 da Billboard. Com a sua guitarra elétrica e letras espirituosas foi uma importante influência em músicos como: Little Richard, Chuck Berry e Elvis Presley. Curiosamente na década de cinquenta, fez um digressão com uma banda de músicos brancos “The Jordanaires”, a mesma banda que mais tarde acompanhou Elvis Presley.

Robert Plant, dos Led Zeppelin fez uma música em homenagem a ela, chamada “Sister Rosetta Goes Before Us”. Na letra, está a citação a um de seus maiores hits, “Strange Things Happening Every Day”.
Curiosamente, no Brasil, no ano de 1955, Nora Rey fez uma interpretação do “Rock Around The Clock” para o filme “Sementes de Violência” que foi mesmo a primeira “semente” para o desenvolvimento do rock no Brasil. Mais tarde Heleninha Ferreira escreveu uma letra em português para o mesmo tema e intitulou-o, “Ronda das Horas”.

O nome

Por volta do ano de 1945, começou a escutar-se uma nova música de negros “Rhythm & Blues”, com as harmonias dos blues, o uso da guitarra eléctrica e as harmonizações vocais do Gospel. O DJ Albert James Freed, mais conhecido por Alan Freed, começou a difundir esta música nos seus programas de rádio e intitulou-a de Rock & Roll.

O disco

12 de Abril de 1954, Bill Haley e Los Comets, gravaram esse “hino” histórico “Rock Around the Clock”. Ao que se seguiu o “Tutti Fruti” de Little Richard.

bill haley and the comets meilenstein e1523537743320
Bill Haley and the Comets



As Cidades


Quatro núcleos urbanos converteram-se nos núcleos musicais da américa: Nova Iorque, Chicago, Memphis e o Delpa do Mississipi. Da mesma forma que Los Angeles era o centro do espetáculo pelo cinema, Nova Iorque era o “coração” do mundo do espetáculo musical americano (Broadway). Por outro lado, no sul do país, Memphis e Nashville, foram grandes viveiros musicais terras que viram nascer a Sun Records, etiqueta para onde gravaram Johnny Cash, Roy Orbison, Jerry Lee Lewis e Elvis Presley.

A Guitarra Eléctrica

Nos anos quarenta, um músico chamado Les Paul, amante da electrónica, do progresso e da inovação, criou uma guitarra de corpo sólido que foi electrificada com um microfone. Mais tarde e já com pick-ups, nasceu a famosa Gibson Les Paul. Por outro lado, outro músico – Leo Fender, criou o seu próprio modelo – Fender, com dois modelos diferentes: a fender stratocaster e a fender telecaster. É ele também o criador do primeiro gravador de oito pistas.

les paul d93c191c12eff2ae034ebf581501faebdb478f6f s1100 c50
Les Paul e as suas Gibson. Direitos Reservados

 

Fender Round Guitar Amp Tin Sign Fender c49f85a9 9cbe 451c aa25 24b3ac6d2546
Anúncio da Fender, Direitos Reservados




O LP (Long Play)

Peter C. Goldmark, inventou o suporte discográfico mais representativo do rock – o LP. Nasceu na Hungria em 1906 e em 1933 já pisava o solo americano. Começou por trabalhar como engenheiro na cadeia de televisão CBS. Cansado dos solavancos e saltos dos 78 rotações, criou o LP. Com uma base de vinil flexível, suportada pelo aparecimento da fita magnética que mudou completamente o modo de gravação da altura. Os discos rodavam agora a 33 rotações por minuto, enquanto os singles, mais pequenos, a 45 rotações.

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img