20 C
Porto
Quinta-feira, Maio 23, 2024

Breve abordagem ao Transtorno do Espectro do Autismo. – Por Isabel da Luz

As mais lidas

Isabel da Luz
Isabel da Luz
Cuidadora Informal

Quais os primeiros sinais?
São múltiplos os sinais que logo nos primeiros anos de vida podem ajudar a detetar o Transtorno do espectro do autismo (TEA). Começamos pelas rotinas que normalmente acompanham o autista por toda a sua vida adulta, o brincar ao “faz de conta”, não faz parte da sua vida infantil e, curiosamente, já adulto, a não reação às anedotas (piadas) comuns. O não brincar com os brinquedos normais e desviar a sua atenção para molas da roupa, cabides ou outros utensílios é muito comum. Sobretudo o girar alguns destes elementos, cria uma certa tranquilidade no utilizador. Pode não responder ao chamamento de imediato pelo seu próprio nome e o contacto visual ser apenas mantido por pouco tempo.

Da mesma forma, não nos surprendermos quando apontamos algo e o autista, simplesmente, não segue o nosso olhar, mesmo que seja interesse para o próprio. A pouca ou mesmo não existência de verbalização pode demorar até à adolescência. A seletividade alimentar é outro dos sintomas relacionados com o TEA. Alguns destes sintomas, surgem nos primeiros anos de vida. Fatores ambientais e genéticos, como a hereditariedade, são responsáveis por cerca de 80% dos casos. Em cada mil pessoas, uma é autista. A maior percentagem é nas raparigas/mulheres numa proporção de 4/1.
As raparigas com TEA, podem passar despercebidas nos primeiros anos de vida. As suas personalidades passivas e de certo modo inibidas, podem “esconder” alguma incapacidade social, contrariarmente aos rapazes que podem ser um fator perturbador numa sala de aula.

Outras manifestações são também pertinentes, como: ausência de medo, alguma perturbação obsessiva complusiva, hiperatividade (confundível em muitos casos), impulsividade, bipolariedade e noutros casos epilepsia.


Afinal o que é o autismo?
Segundo a definição do “Harvard Medical School”, trata-se de uma perturbação do desenvolvimento do cérebro, perturbações neuro-psiquiátricos do desenvolvimento da criança, resultantes de disfunções do desenvolvimento do sistema nervoso central. Ou, por outra visão, uma perturbação do neuro-desenvolvimento que, obviamente, são perturbações associadas a interesses restritos e específicos e/ou comportamentos repetitivos.

Existem algumas ciscunstâncias ambientais que podem potenciar o aumento do risco de desenvolver esta patologia. Quando as mães, no decurso da gravidez, estão expostas a elevados níveis de poluição ou a pesticidas, os períodos de carência de oxigénio no cérebro no periodo de gestação, um baixo peso à nascença e a idade avançada dos pais no momento da concepção.

Existem cinco tipos de autismo: O transtorno invasivo do desenvolvimento, síndrome de Kanner, transtorno desintegrativo da infância, síndrome de Rett e por último, a síndrome de Asperger.
O TID (transtorno invasivo do desenvolvimento) é provavelmente um tipo leve de autismo que pode afetar o desenvolvimento da linguagem e outras habilidades motoras (autismo subliminar).
A síndrome de Kanner, descoberta em 1943 por John Hopkins, pode-se considerar um transtorno autista clássico. Desafios de comunicação e interação, obsessão com o manuseio de objetos e falta de apego emocional com os outros (fala descontrolada).
A síndrome de Rett é uma doença muito rara do neurodesenvolvimento, observada na infância. Desafios em comunicação e fala, dificuldades respiratórias e perda de movimentos e coordenação padrão. E por último, provavelmente o mais interessante,  síndrome de Asperger. Digo mais interessante, porque uma criança com este transtorno apresenta uma inteligência muito acima da média, mas com pouca capacidade verbal .

O seu pensamento e comportamento são inflexíveis. Focam-se apenas numa atividade e não alternam entre outras. Fogem do funcionamento executivo e, por vezes, falam de forma monótona e têm uma incapacidade de expressar sentimentos na fala. Tal como de  de se adequarem ao ambiente imediato, o que cria alguns problemas na interação com colegas e em casa.

Identificado pela primeira vez em 1944, por Hans Asperger (austríaco) e, curiosamente, os défices importantes de comunicação não verbal em crianças, criaram alguns dos maiores génios da humanidade.

O pintor holandês Vincent Van Gogh, o criador da teoria da Relatividade – Albert Einstein – que apenas começou a falar aos três anos de idade, a Lei da Gravidade dada a conhecer ao mundo por Isaac Newton, o menino-prodígio que aos cinco anos de idade já tocava e compunha música – Wolfang Amadeus Mozart, atores Dan Aykroyd e Kim Peek que inspirou o filme “Rain Man” e que conseguiu recordar o conteúdo de mais de 12 mil livros e Anthony Hopkins ; os incontornáveis Bill Gates (Microsoft e inventor do Windows) e Elon Musk (Tesla); um dos génios do cinema Steven Spielberg e embora seja um caso raro, pois os aspergers de uma forma geral, não se interessam por futebol, Lionel Messi.

Sou mãe de três filhos autistas, dois adultos funcionais e uma criança (11 anos), não verbal.
Para dar uma melhor resposta ao tema por mim abordado, podem remeter para geral@ocidadao.pt  questões que necessitem ser esclarecidas.

- Publicidade -spot_img

Mais artigos

- Publicidade -spot_img

Artigos mais recentes

- Publicidade -spot_img